Parceiros da EFA Jaguaribana Zé Maria do Tomé

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA JAGUARIBANA (EFA) HOMENAGERÁ O LÍDER COMUNITÁRIO ZÉ MARIA DO TOMÉ

November 23, 2016

 

A EFA Jaguaribana realizou um encontro de formação no dia 19 de novembro de 2016, no distrito de Olho d’Água da Bica, em Tabuleiro do Norte, com a presença de representantes de comunidades da região onde se instalará a EFA.

 

Dentre outros pontos, foi feita uma discussão sobre os nomes propostos para a EFA, sendo eles EFA Jaguaribana Zé Maria do Tomé e EFA Jaguaribana Dom Pompeu Bezerra Bessa. A liderança dessas duas pessoas são notadamente reconhecidas na região do Vale do Jaguaribe e a opção por uma não significa um desmerecimento da outra. Pelo contrário, a EFA Jaguaribana terá o compromisso de guardar a memória de tantas pessoas que lutaram pela vida e pelos direitos humanos no Vale do Jaguaribe, podendo homenageá-las em vários espaços da Escola. No entanto, os participantes optaram pelo nome de Zé Maria do Tomé.

 

Anjerliana, da Cáritas de Limoeiro, frisou a importância da memória de Zé Maria para as lutas da região: “Zé Maria iniciou sozinho e, aos poucos, outras pessoas e instituições foram se juntando a ele. Não é apenas a pessoa de Zé Maria, mas as lutas que ele representa. E por causa dessas lutas ele foi assassinado”. Thiago Valentim, da CPT, também afirmou: “O nome Zé Maria do Tomé significa também um projeto, que será assumido pela EFA. É um nome que congrega várias pessoas e organizações em torno das lutas pela terra, pela água e contra os agrotóxicos no Vale do Jaguaribe”. A Escola passa a se chamar, então, Escola Família Agrícola Jaguaribana Zé Maria do Tomé.

 

José Maria Filho foi assassinado no dia 21 de abril de 2010, com mais de vinte tiros, à queima roupa, próximo a sua residência, na comunidade de Tomé, zona rural de Limoeiro do Norte (CE). Destacou-se na luta contra a pulverização aérea de agrotóxicos, na Chapada do Apodi, Ceará. Essa atividade promovida por grandes empresas do agronegócio, causa a contaminação da água, plantações e solo das comunidades da região. Além disso, provoca diversas doenças nos trabalhadores das empresas e moradores. Essas denúncias encontraram repercussões em ações judiciais, procedimentos do Ministério Público (Estadual, Federal e Trabalhista) e em inúmeras pesquisas acadêmicas.

 

Além das denúncias sobre as consequências do uso de agrotóxicos, Zé Maria do Tomé enfrentou diretamente as grandes empresas do agronegócio e denunciou irregularidades na concessão de terras nos perímetros irrigados da região. Esses perímetros provocam um processo de desapropriação (e mesmo expulsão) de pequenos trabalhadores rurais e concedem as terras para grandes empresas exportadoras de frutas.

 

A luta de Zé Maria tem inspirado lutadoras e lutadores do povo no Vale do Jaguaribe a continuar com a defesa da vida das pessoas e da natureza e a denúncia dos conflitos surgidos a partir da hegemonia do grande capital, através do agronegócio, com todos os seus impactos para a saúde e o meio ambiente. Após sua morte, surgiram várias articulações envolvendo pastorais, movimentos sociais, sindicatos, pesquisadores para a defesa das comunidades e a luta por direitos.

 

 

Share on Facebook